Imprimir

A concessão de crédito tem as suas etapas e elas são necessárias

A concessão de crédito tem as suas etapas e elas são necessárias
Ezequiel Loureiro Nascimento

Vez ou outra, empresários iniciantes e, também, alguns de longa data, têm aquele sentimento de que adquirir um empréstimo de crédito com instituições de desenvolvimento é um processo longo que envolve bastante burocracia desnecessária. Isso acontece porque a grande maioria das pessoas está acostumada com a rotina de bancos comerciais tradicionais. A realidade é que bancos de desenvolvimento econômico atuam de modo singular para que empresários respirem com fôlego e aliviados antes, durante e depois da aquisição de crédito.

Devemos aproveitar que esse sentimento existe. Nesse momento é a hora de reafirmarmos o compromisso das instituições de fomento com o empreendedorismo e o crescimento econômico sustentável e equilibrado. Muitas vezes, por isso, não faz mal explicar didaticamente como é o processo de acesso ao crédito dessas entidades e o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) segue este rito estabelecido.

Em primeiro lugar, para trazer a máxima transparência e para que tudo ocorra de modo ordeiro e eficiente com as instituições de desenvolvimento, são necessárias normas constitucionais e legais, como ocorre em todas e diferentes esferas do setor público. Afinal, estamos falando sobre a utilização de recursos públicos pagos pela sociedade brasileira.

Os bancos de desenvolvimento têm regulamentação própria definida pelo Banco Central que aponta a documentação necessária e as prioridades para cada tipo de concessão de crédito, seja capital de giro, seja para investimentos na compra de máquinas e equipamentos. Apesar da estranheza do nome, as certidões negativas de débitos são exemplos de alguns dos documentos exigidos que apoiam o Bandes e outros bancos para a comprovação dos financiamentos. E quando falamos de outros documentos desse “naipe” já se quebra aquela rotina presente na abertura de contas-correntes, poupanças e solicitação de cartões de débito e de crédito presente em bancos tradicionais.

É nessa hora que devemos então responder a pergunta daqueles interessados em evoluir cada vez mais o seu próprio negócio: como é pegar crédito com um banco de desenvolvimento como o Bandes?

Talvez seja uma definição simples e até batida, mas realmente para que o início de uma concessão de crédito aconteça da maneira correta e sem obstáculos no futuro devemos relembrar que “tudo começa pelo começo”. É na parte inicial, no atendimento, que o empresário capixaba inicia o seu processo com o Bandes. Presencialmente, via gerentes, ou por telefone e site oficial, o atendimento é o caminho principal para que todas as dúvidas sejam sanadas e o banco entenda a real necessidade do empreendedor. Nessa fase, não perguntar talvez seja um dos principais erros. Todas as perguntas devem ser feitas e apresentadas para que depois o banco retorne com todas as respostas.

Quando esse “pingue e pongue” inicial de pergunta e resposta se encerra e são apresentadas as linhas de financiamento ideais para o projeto a ser financiado, o prosseguimento será para o envio de documentação e análise da “papelada”, que agora, graças ao avanço da tecnologia, é tudo feito totalmente pelos meios digitais. São nessas situações que inconsistência são observadas, tratadas e o andamento de concessão de crédito segue o seu fluxo, como um rio perene sem interrupções. E no final desse processo, chega ao período de contratação e liberação, com a elaboração do contrato que será assinado pelas partes e, posteriormente, com a liberação dos recursos.

A cada novo crédito concedido, pode ou não haver um novo processo cadastral. Estamos falando de processos que envolvem trâmites cuidadosos antes, durante e depois da liberação, com a análise técnica e criteriosa da instituição, e todos esses processos são necessários para que o Bandes atue no seu objetivo principal de proporcionar o destino adequado e oportuno de recursos que visem a promoção e o desenvolvimento econômico e social do Espírito Santo.

Gerente Comercial e de Relacionamento do Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes)




Fonte: https://www.bandes.com.br/Site/Noticias/Print?id=1820