Preview Cookie

 



Artigo Educação financeira: 8 dicas para uma vida financeira saudável

Texto produzido por Arthur Neiva Neves, Mestre em Administração e colaborador do Bandes
27/08/2021 11:00
Compartilhe Imprimir print

search*Arthur Neiva Neves é mestre em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e especialista em Finanças, Investimentos e Banking pela PUC-RS.

A educação financeira trata de temas que abrangem todos os aspectos da vida de uma pessoa. Algumas mudanças nos hábitos de consumo e nas ofertas de produtos financeiros tornaram a administração de nossas finanças mais complicada. A maioria das pessoas usava dinheiro para compras diárias. O uso de crédito representou 46,4% do valor transacionado no consumo das famílias em 2020, e percebe-se o uso de e-wallets (carteiras digitais) e o novo meio de pagamento no Brasil, o Pix. As compras online são agora a melhor escolha para muitos, e pelo jeito essa forma de consumo deve permanecer aquecida pós-pandemia.

Essas mudanças de comportamento podem facilitar o consumo, sobrecarregando o crédito, tornando-se uma maneira de acumular dívidas rapidamente. Além disso, empresas de cartão de crédito e instituições financeiras inundam os consumidores com ofertas. Sem conhecimento, é fácil ter problemas financeiros.

Saber o máximo sobre o uso inteligente do seu dinheiro é fundamental para que possamos pelo menos nos dar algum tipo de estabilidade no futuro. Aqui vão oito regras de finanças pessoais que todos devem saber:

1. Diferencie desejos de necessidades: Isso não significa que nunca devemos nos entregar a desejos de vez em quando. Significa que devemos escolher nossos desejos conscientemente e não permitir que sua busca constante comprometa nossa segurança financeira.

2. Defina metas: sem um conjunto claro de metas é difícil saber como é o sucesso financeiro pessoal. Defina seus objetivos e crie um plano realista que o mova em direção a eles.

3. Viva dentro de suas possibilidades financeiras: elaborar um orçamento e não gastar mais do que ganha interrompe o ciclo de trabalhar só para pagar dívidas. Aprender a viver dentro de suas possibilidades é uma conquista, mas viver abaixo de suas possibilidades é ainda melhor.

4. Evite dívidas: não se deixe confundir por propagandas e promoções. Seu limite de crédito não é o seu limite de gastos. Evite dívidas e as taxas de juros quase que as acompanham.

5. Pague primeiro as dívidas com a maior taxa de juros. Eliminar dívidas com juros altos primeiro expõe você a menos encargos de juros ao longo do tempo.

6. Comece a investir cedo: Você não só terá mais tempo para acumular uma riqueza significativa (mesmo com um salário modesto), mas terá mais tempo para juros compostos para fazerem sua mágica.

7. Não invista em algo que você não entende: Pegar atalhos e investir em produtos excessivamente complexos ameaça seus ganhos e capital de longo prazo.

8. Prepare-se para o inesperado: poupe o valor referente a seis meses do seu custo mensal em um fundo para emergências.