Preview Cookie

 



Com rating AA, Bandes torna-se peça fundamental para o urgente desafio da retomada do crescimento da economia capixaba

Artigo produzido por Matheus Taveira Reis, economista e assessor técnico do Bandes
01/02/2021 14:00
Compartilhe Imprimir print

searchEquipe técnica do Bandes está atenta ao cenário econômico capixaba

Que 2020 foi um ano atípico, isso não é mais novidade. Considerado o ano em que a Terra parou, o início da nova década ficou marcado por um longo período de isolamento social e grande impacto socioeconômico.

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a pandemia de Covid-19 custará US$ 22 trilhões à economia mundial entre 2020-2025. Economias avançadas como as dos EUA, Zona do Euro, Japão e outras, e economias emergentes como é o caso de países como Rússia, China e Brasil tiveram previsão do PIB para 2020 revisadas e registraram uma variação de -4,9% e -2,4%, respectivamente.

Reverter esse cenário não será tarefa fácil e exigirá dos governos medidas para a criação de condições favoráveis ao desenvolvimento. Sabe-se que economias bem sucedidas, diversificadas e competitivas contaram com forte participação do Estado, que tinha como ferramenta um sistema financeiro maduro e capaz de financiar a longo prazo, seja por crédito ou por mercados de capitais.

Em setembro de 2020, a agência de rating, Fitch Ratings, uma das mais importantes agências internacionais classificadoras de risco de crédito, avaliou o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) com a nota AA. Uma excelente notícia para o mercado capixaba, que ainda pertence ao grupo de entes federados a contar com um banco de desenvolvimento controlado pela unidade da Federação.

Com o forte desempenho financeiro no último ano, consolidação da imagem no mercado e nova classificação de risco, a instituição financeira abre importantes caminhos para captar recursos em bancos multilaterais internacionais impulsionando investimentos, apoiando a inovação, atuando em falhas de mercados, além de democratizar o crédito e atuar com políticas contracíclicas.

São US$ 30 milhões aprovados pelo BID para apoiar MPE capixabas via Bandes. Recurso que vem em boa hora para preservar a atividade produtiva do Estado, além dos milhares de empregos gerados pelas micro, pequenas e médias empresas.

*Economista e assessor técnico do Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes).